Home / Canais / Academia
O Plano Operacional de Turismo do Alentejo em debate na UE
Foto: Sofia Ascenso
CISTTUR 2012
O Plano Operacional de Turismo do Alentejo em debate na Universidade de Évora

António Ceia da Silva, Presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, foi o convidado da última sessão do Ciclo de Seminários Temáticos em Turismo e falou sobre questões relacionadas com a criação, implementação e gestão do Plano Operacional de Turismo do Alentejo. A conferência decorreu a 3 de dezembro, no Colégio do Espirito Santo da Universidade de Évora.

O convidado desta aula aberta começou por realizar um diagnóstico sobre as dinâmicas das macro envolventes social, demográfica e económica mundial, referiu que as alterações a este nível têm uma relação próxima com a atividade turística internacional e sublinhou que os seus impactos favorecem a emergência de novos mercados de captação de turistas para Portugal em geral em particular para a região Alentejo. Neste capítulo, Ceia da Silva acrescentou ainda que os estudos sobre o perfil da procura turística indiciam uma cada vez maior utilização das TIC, em particular na utilização dispositivos móveis de comunicação para fins de informação, promoção e reservas de serviços turísticos.

De acordo com o diagnóstico anterior, António Ceia da Silva sublinhou que, para que um destino antecipe e prepare a sua atuação no âmbito desta nova configuração mundial, é necessário adotar um processo de planeamento estratégico flexível e com capacidade de previsão relativamente às expectativas dos potenciais turistas. No caso da ERT Alentejo, o trabalho desenvolvido tem permitido a identificação das valências exógenas únicas e distintamente diferenciadoras para o destino, como são o caso do Cante e do Montado.

Do ponto de vista operacional e em particular ao nível da reengenharia do produto turístico do Alentejo, o Presidente da ERT Alentejo sublinhou que essa reengenharia é e será estruturada em três grandes pilares: Alentejo Património do Tempo, Alentejo Bom Gosto e Turismo de Natureza.

Do ponto de vista da comunicação, Ceia da Silva especificou que a ERT Alentejo sustenta as suas ações no quadro de um diagnóstico previamente realizado, a partir do qual tem sido possível identificar as tendências emergentes no que diz respeito à procura de informação sobre destinos turísticos. Assim, o investimento no canal internet será reforçado, bem como em dispositivos móveis de informações (androide, iphone, etc.). 

No que se refere à promoção, o conferencista esclareceu que esta é planeada sob duas perspetivas: por um lado, promoção dirigida, por outro, promoção integrada. No último caso convocam-se outras indústrias e sectores que transportam consigo a marca Alentejo, nomeadamente, os vinhos, azeites, cortiça, mármores, etc…, potenciando sinergias de investimento integrado na promoção de produtos que estão intimamente relacionados com o Turismo e o Turismo com estes.

Outras questões foram sublinhadas no decorrer da sessão, nomeadamente a reestruturação do plano de sinalização e sinalética turística regional, o reforço do trabalho do observatório regional de turismo do Alentejo, no qual a Universidade de Évora é parceira, e o apoio ao investimento privado. Em relação a este ponto Ceia da Silva referiu que foram aprovados 150 projetos ao abrigo do QREN, traduzidos em cerca de 150 milhões de euros de incentivo ao investimento turístico privado na região e aludiu ao programa de apoio aos eventos no Alentejo, mediante o qual a ERT Alentejo apoiou a realização de 150 eventos regionais.

Publicado em 06.12.2012